Moeda de 1 centavo - 1922




A moeda de 1 centavo - 1922 será por certo a moeda envolta no maior de todos os mistérios da história da Numária Portuguesa. É uma moeda raríssima da qual só são conhecidos seis exemplares.

Existem várias versões quanto aos seus proprietários. Uma delas refere que duas estarão à guarda de museus e as outras na mão de particulares. Outra versão refere que uma delas estará à guarda da INCM, três outras serão propriedades de outras instituições e as duas restantes serão propriedade de particulares. O verdadeiro paradeiro das mesmas continua a ser um mistério.

Também existem dúvidas quanto à quantidade de moedas cunhadas. Por um lado existem rumores de que o cunho se terá partido depois de cunhar apenas 6 moedas. É conhecida uma outra versão que afirma que foram cunhadas 2.150.000. Importa aqui referir que para que uma moeda seja oficial é necessária a sua autorização por Lei ou Decreto-Lei e a sua produção pela autoridade competente, em Portugal pela INCM. Para que a moeda entre em circulação é necessária a sua emissão pelo Banco de Portugal. As moedas em análise foram autorizadas pela Lei nº, 679, de 21 de Abril de 1917 - Ver aqui alterada pela Lei nº 950 de 28 de Fevereiro de 1920 - Ver aqui e foram produzidas, no entanto, nunca terão sido emitidas pelo BP. Estas moedas eram de bronze e a sua não emissão vai sendo justificada pelo facto de o seu valor real, em peso, se ter tornado superior ao seu valor facial. As moedas terão ficado depositadas na Casa da Moeda até Junho de 1924, ano em que terão sido fundidas para produção das moedas de 5 centavos. Os seis exemplares existentes salvaram-se, segundo se diz, pela mão do então Director da Casa da Moeda. 

A 5 de Dezembro de 1960, o Diário de Lisboa anuncia a existência de três exemplares. Ver aqui.
No dia seguinte  divulga o aparecimento mais três exemplares, totalizando seis. Ver aqui.

Com maior ou menor mistério, esta é sem dúvida a moeda mais valiosa da República Portuguesa. A 18 de Outubro de 2002, uma delas foi leiloada por 60.000 euros. A licitação inicial era de 37.500 euros. Fonte: TSF - Ver aqui. Um outro leilão, o n.º 69 da Numisma, no dia 12 Dezembro de 2006, terminou sendo uma moeda leiloada por 85.000€.

Poderá recolher mais informações em:
Revista Moeda, de Julho/Agosto de 78, artigo de José Gama Barata
A Grande História do Escudo Português - A. M. Trigueiros
Recortes Históricos em Tudo Sobre Numismática - Factos Históricos. Ver aqui.

Acaso o estimado leitor tenha dados relevantes, documentados preferencialmente, a acrescentar a este texto, queira contactar-me. Terei todo o prazer em actualizar este texto com novos dados que sejam divulgados.

Moeda mais antiga da 1.ª república

A moeda mais antiga da 1.ª república tem o valor facial de 50 Centavos e é datada de 1912.

Metal: Prata
Diâmetro: 30,00 mm
Emissão:1.695.000

Moeda 1 escudo Prata - 1910 (1914)

Umas das primeiras moedas cunhadas durante a 1.ª República Portuguesa (1910 - 1926). É uma moeda de um escudo em prata com data de 1910, contudo, esta moeda só foi cunhada em 1914. É uma moeda Comemorativa do 5 de Outubro de 1910, data da Implantação da República. No seio da numismática é considerada como uma das mais belas moedas portuguesas.

Informações detalhadas sobre a 1.ª República Portuguesa: aqui e aqui

Moedas de 1€ do ano 2008 com mapas diferentes

"Em 7 de Junho de 2005, o Conselho decidiu que as faces comuns das moedas de 10, 20 e 50 cents e das moedas de 1 e 2 euros — que representam actualmente a União Europeia antes do alargamento de 15 a 25 Estados-Membros, em 2004 — deviam ser alteradas por forma a representar todos os Estados-Membros da União Europeia. As faces comuns das moedas de mais pequeno valor (1, 2 e 5 cents) representam a Europa no mundo, pelo que não são afectadas pelo alargamento da União Europeia.

As novas faces comuns serão aplicadas a partir de 2007. Os Estados-Membros que adoptem o euro a partir de 2007 só emitirão moedas em euros com as novas faces comuns. A República da Eslovénia será o primeiro novo Estado-Membro a fazê-lo. Os actuais Estados-Membros da zona euro podem começar a aplicar as novas faces comuns a partir de 2007 na sua nova produção de moedas, devendo, em todos os casos, passar a utilizar as novas faces comuns a partir de 2008."

Fonte (clicar no link): Jornal Oficial da União Europeia

Em portugal, as indicações foram respeitadas e, em 2008, começaram a circular moedas com o novo mapa. No entanto, sem que se conheçam ainda detalhes, também foram emitidas moedas com o mapa antigo. Não se sabe ainda quantas nem porque motivo. A Imprensa Nacional  - Casa da Moeda já confirmou o facto. Todavia, infoma que o caso se encontra sob investigação e que,  assim que essas diligências estejam terminadas, divulgará oficialmente a informação relevante.





MAPA ANTIGO




MAPA ACTUAL

Moedas Viciadas - 1 escudo 1935


Esta é uma das moedas portuguesas que muitas vezes aparece viciada. Para o efeito, são utilizadas moedas de 1965 ou 1930 e são adulterados os terceiro ou quarto digitos respectivamente.
Na foto ao lado: moeda genuína.





Na foto ao lado: moeda viciada. Foi utilizada uma moeda de 1965 e cujo terceiro dígito (6) foi adulterado para 3.





Metal:Alpaca
Diâmetro: 26,80 mm
Emissão: ????? - para uso exclusivo nos Açores

Moedas 1€ - duas variantes




Tal como nas moedas de dois euros, também nas moedas de um euro se verifica a existência de duas variantes. Também nestas moedas deve ser analisado o bordo da moeda onde se verificarão duas variantes:

Variante 1– 3 x 28 listras

Variante 2 – 3 x 29 listras





Moedas 2€ - duas variantes

Sabia que, para além do ano de cunhagem, existe outra diferença nas moedas de dois euros que lhe passam pelas mãos? Talvez ainda não se tenha apercebido. Para encontrar as duas variantes deverá colocar a face comum das moedas para cima e observar o bordo da moeda. Se tiver sorte e alguma paciência vai encontrar moedas de duas espécies:

Variante 1 – 7 Castelos virados à esquerda e 5 Quinas viradas à direita


 Variante 2 - 7 Castelos virados à direita e 5 Quinas viradas à esquerda